"Quando sua determinação muda, tudo o mais começa a se mover

em direção ao seu desejo".

3 de jan de 2009

GOSHO - Resposta a Kyo’o

(Kyo’o dono Gohenji) END, vol I, págs. 275 e 276


Justamente quando estava esperando ouvir suas notícias novamente, chegou o mensageiro que o senhor se preocupou em me enviar. Recebi também a dádiva em dinheiro que em minhas presentes circunstâncias é muito mais valiosa do que qualquer tesouro a ser encontrado na terra ou no mar.
Desde que ouvi do senhor a respeito de Kyo’o Gozen, tenho estado orando por ela aos deuses do sol e lua em todos os momentos do dia e da noite. O Gohonzon que enviei há algum tempo deve ser conservado sem tirar do corpo mesmo por um instante sequer. Este Gohonzon nunca foi concedido, muito menos inscrito, por alguém nos Primeiros ou Médios Dias da Lei. Diz-se que o leão, rei dos animais, avança três passos, e então recua um para saltar, desprendendo a mesma força quando apanha uma diminuta formiga ou ataca ferozes animais. Ao inscrever este Gohonzon para a sua proteção, Nitiren é igual ao rei leão. É isto o que o sutra quer dizer por “a força de um leão no ataque”. Creia neste Gohonzon com todo o seu coração. O Nam-myoho-rengue-kyo é como um rugido de um leão. Que doença pode portanto ser um obstáculo?
Está escrito no sutra que os que abraçam o Daimoku do Sutra de Lótus serão protegidos pela Kishimojin e suas dez filhas. Eles desfrutarão da felicidade como Aizen e da boa sorte como Bishamon. Onde quer que sua filha possa brincar, nenhum mal poderá acontecer, será livre do medo tal como o rei leão. Isto significa que entre as dez filhas de Kishimojin, a proteção de Kodainyo é a mais profunda. Mas tudo depende de sua fé. Uma espada será inútil nas mãos de um covarde. A poderosa espada do Sutra de Lótus deve ser manejada por alguém corajosa na fé. Então será tão forte quanto um demônio armado com um cajado de ferro. Eu, Nitiren, inscrevi minha vida em “sumi”, assim, creia no Gohonzon com todo o seu coração. O coração do Buda é o Sutra de Lótus, mas a vida de Nitiren não é nenhuma outra senão o Nam-myoho-rengue-kyo. Miao-lo afirma em suas interpretações: “A revelação da iluminação original do Buda é o coração do sutra.”
Os infortúnios de Kyo’o Gozen serão mudados em boa sorte. Reuna a sua fé e ore a este Gohonzon. Então, o que é que não pode ser alcançado? Deve crer que acontecerá tal como o Sutra de Lótus diz: “Os desejos das pessoas se realizam como a água fria e límpida de um tanque sacia a sede das pessoas”. E diz ainda: “Eles terão paz e segurança nesta existência e nascerão em boas circunstâncias na próxima.” Quando for perdoado do exílio nesta província, apressar-me-ei a Kamakura onde nos encontraremos. Se uma pessoa considera a força do Sutra de Lótus, encontrará juventude perpétua e vida eterna diante de seus olhos. Minha única preocupação é que ela possa morrer jovem; portanto, estou orando com todas as minhas forças aos deuses para protegê-la. Eduque-a para ser como a Dama Jotoku ou a filha do Rei Dragão. Nam-myoho-rengue-kyo, Nam-myoho-rengue-kyo.
Respeitosamente,NitirenEm 15 de agosto de 1273
Fundo de Cena
END, Vol. I, págs. 277 e 278
A carta foi datada em 15 de agosto de 1273, quando Nitiren Daishonin estava exilado na Ilha de Sado. As perseguições assolaram-no por toda a sua vida após declarar o Verdadeiro Budismo em 1253. O período do exílio a Sado foi a mais dura das perseguições. Surpreendentemente, contudo, foi mais prolífico durante esse período que durou de outubro de 1271 a fevereiro de 1274. Em 1272 trabalhou na “Herança da Lei Última da Vida” e “A Abertura dos Olhos”. Em 1273, escreveu “o Verdadeiro Objeto de Adoração” em abril, e “A Verdadeira Entidade da Vida” em maio. Escreveu muitas outras cartas e tratados importantes durante o exílio até o seu perdão em 1274. No mesmo ano em que retornou a Kamakura e retirou-se aos pés do Monte Minobu, tal como ele havia predito em 1260 em sua obra “Pacificação da Terra pela Propagação do Verdadeiro Budismo”.
Esta tese tinha precipitado todas as suas perseguições.
Julgando do seu conteúdo, Kyo’o, a recebedora desta carta, parece ter sido uma filha de Shijo Kingo. Em setembro do ano precedente, Daishonin enviou uma carta aos Shijo que em parte diz: “Como tiveram Kyo’o Goze, agora têm uma filha fervorosa que será uma herdeira da sua herança nesta vida ...” Parece, portanto, que Kyo’o estava aproximadamente com um ano de idade ao tempo desta segunda carta. Nesta luz, podemos presumir que a carta foi dirigida a Shijo Kingo e sua esposa, Nitiguennyo, embora fosse endereçada à sua filha. Em maio daquele ano, Shijo Kingo visitou seu mestre na Ilha de Sado. Assim, o desejo de Nitiren Daishonin em ouvir sobre Shijo Kingo, que expressou no começo desta carta, implica que não houve comunicação desde maio.
Shijo Kingo foi um homem de forte fé que viveu em Kamakura. Desde o início da Perseguição de Tatsunokuti defendeu Nitiren Daishonin com o espírito de mártir, dizendo que estava desejando morrer se o seu mestre fosse executado. Nitiren Daishonin elogiou sua fé e entesourou-o. Como tinha habilidade médica, algumas vezes prescreveu remédios a Nitiren Daishonin quando este declinou em saúde nos seus últimos anos. Kingo era também muito emotivo e sincero. Por outro lado, era tão franco que algumas vezes lhe era difícil dar-se bem com outras pessoas em seu redor. Até se pôs em perigo quando seus colegas atentaram contra a sua vida, mas levou avante uma forte e sincera fé por toda a sua vida e permaneceu como um modelo de crente. Kishimojin e suas dez filhas: Representam o Estado de Fome. Demônios femininos que aparecem no Capítulo Darani (26º) do Sutra de Lótus. Diz-se que Kishimojin tinha dez filhas (Jurassetsunyo) e as alimentavam com os bebês de outras. Ela, portanto, simboliza o egoísmo de uma mãe que faz de tudo para seus filhos, mesmo ao sacrifício dos filhos de outros. Na cerimônia do Sutra de Lótus, contudo, ela, juntamente com suas filhas, juraram proteger os devotos do Sutra de Lótus. Sua mudança de atitude indica que devida a influência iluminante da Lei Mística, todas as pessoas podem mostrar suas qualidades mais favoráveis em seu único modo. (END, vol. I pág. 329)
Fudo e Aizen: Fudo tinha-se encarnado em um escravo, a fim de servir a todos os seres, e tinha jurado destruir todo o mal no mundo. Aizen é o deus que preside sobre os erros, em outras palavras representa os desejos mundanos. Aizen também significa o princípio budista de que os desejos mundanos pode ser mudados em iluminação, enquanto Fudo indica o princípio de que os sofrimentos da vida e morte podem ser transformados em iluniação. (END, vol. I pág. 328)
Bishamon: Bishamon é um dos Quatro Reis Celestes ou lordes dos quatro céus, que pressumidamente viveram no meio das quatro encostas do Monte Sumeru. Bishamon tem como função ouvir os sutras e proteger o lugar onde é praticado. No 26º Capítulo (Darani) do Sutra de Lótus, os Quatro Reis Celeste juram proteger aqueles que abraçam o Sutra de Lótus. (END, vol. I pág. 314)
Miao-lo: (711 – 782) 9º sucessor da Seita Tendai na China. Ele é considerado o restaurador das seitas e elaborou profundos comentários sobre os trabalhos de Tientai. (END, vol. I pág. 315)


As mais Belas Histórias Budistas - As Escrituras de Nitiren DaishoninEndereço: http://www.vertex.com.br/users/san/goshos e-mail: sandro@vertex.com.br

Um comentário:

Silvia Tupinamba disse...

Muito obrigada!
Estou adorando a leitura dos Goshos.
Simplesmente Fascinantes!