"Quando sua determinação muda, tudo o mais começa a se mover

em direção ao seu desejo".

3 de jan de 2009

GOSHO - O Remédio Benéfico para todas as Doenças

(Myoshin-ama Gozen Gohenji, pág. 1479 a 1480)

Recebi o seu presente de duas cestas de caqui curtido e uma cesta de berinjelas. Com respeito à doença do sacerdote leigo, seu marido: na China existiram os médicos chamados Huang Ti e Pien Chueh, e na Índia houve os doutores Jisui e Jivaka. Esses homens foram, cada qual, os tesouros de sua época e mestres dos médicos das épocas posteriores. Entretanto, eles jamais poderiam ser comparados à pessoa chamada Buda, um médico sem par. Esse Buda revelou o remédio da imortalidade: os cinco caracteres do Myoho-rengue-kyo. Além disso, ele ensinou que esses cinco caracteres são o ‘remédio benéfico para as doenças de todas as pessoas de Jambudvipa.
O seu marido é uma pessoa do Japão, que está contido dentro de Jambudvipa, e agora sofre de um mal corporal. Contudo, a passagem do Sutra de refere claramente ao remédio benéfico para todas as doenças. Ademais, esse Sutra de Lótus é o maior de todos os remédios. Um soberano perverso chamado Rei Virudhaka matou mais de quinhentas mulheres do clã do Buda, e em consequência disso o Buda enviou a seu discípulo Ananda ao Pico da Águia para obter a flor de lótus azul. Quando ele encostou nos corpos das mulheres, elas retornaram à vida, e depois de uma semana, renasceram no Céu Trayastrimsha. Pelo fato de a flor denominada lótus ser dotada de tão esplêndida virtude, o Buda comparou-a à Lei Mística.
A morte de uma pessoa não ocorre necessariamente através de uma doença. Em nossa própria época, as pessoas de Iki e Tsushima, embora não sofressem de algum mal, foram todas massacradas pelos mongóis de uma só vez. Do mesmo modo, essa doença de seu marido não implica necessariamente em morte. Agora, essa doença de seu marido pode ser devido ao desígnio do Buda, pois tanto o Sutra Vimalakirti como o Nirvana falam de pessoas doentes atingindo o estado de Buda. Da doença surge a mente que busca o caminho.
Entre todas as doenças, os cinco pecados cardeais, a descrença incorrigível do icchantika e a calúnia à Lei são as graves moléstias que essencialmente afligiam o Buda. As pessoas do Japão de hoje, sem nenhuma exceção, afligem-se com a mais séria de todas as doenças, o grave mal da grande calúnia. Refiro-me aos seguidores das seitas Zen, Nembutsu e Ritsu, e aos mestres da Shingon. Precisamente pelo fato de a doença dele ser tão séria, eles próprios não a reconhecem nem os outros têm consciência dela. E, como este mal está piorando, guerreiros de todos os quatro mares atacarão a qualquer momento e o soberano, seus ministros e o povo, serão todos destruídos. Ver isto com os seus próprios olhos é realmente algo doloroso.
Em sua vida presente, o sacerdote leigo, seu marido, não parece ter tido uma fé particularmente forte no Sutra de Lótus. Porém, agora que as forças do carma acumulado no passado o levaram a sofrer essa longa enfermidade, ele busca o Caminho dia e noite sem parar. Quaisquer ofensas menores que ele possa ter cometido nesta existência já devem ter sido, seguramente, erradicadas, e em virtude de sua dedicação ao Sutra de Lótus, o grande mal de sua calúnia no passado também será dissipado. Se ele tivesse de ir nesse instante ao Pico da Águia, sentiria uma alegria tão grande quanto se o sol tivesse surgido e iluminado todas as dez direções, e ele se veria muito contente, pensando como uma morte prematura poderia ser algo tão feliz. Não obstante o que possa acontecer a ele na estrada entre esta vida e a próxima, ele deve declarar-se um discípulo de Nitiren. Fazendo uma analogia, embora o Japão seja um pequeno país, se alguém simplesmente anunciar que é um vassalo do lorde de Sagami, merecerá inquestionável reverência. Eu, Nitiren, sou o sacerdote mais recalcitrante no Japão, mas com respeito à minha fé no Sutra de Lótus, sou o sábio mais importante do mundo inteiro. O meu nome alcançou as terras puras das dez direções, e o céu e a terra com certeza sabem disso. Se o seu marido declarar que é discípulo de Nitiren, nenhum demônio mau provavelmente poderá clamar ignorância sobre o nome.
Não tenho palavras para expressar meus agradecimentos por sua sinceridade em enviar oferecimentos em muitas ocasiões.
Com meu profundo respeito
Os macacos contam com as árvores, e os peixes dependem da água. A senhora, como mulher, depende do seu marido. Por não desejar se separar dele, a senhora tosou seus cabelos e tingiu de preto as mangas do seu robe. Como o Buda das dez direções poderiam não sentir pena da senhora ? Nem o Sutra de Lótus jamais poderia abandoná-la. Acreditando nisto, deve confiar-se ao mesmo.
Nitiren,
Em 16 de agosto

Fundo de Cena

Nitiren Daishonin escreveu esta carta no Monte Minobu a Myoshin-ama, incentivando-a em vista da enfermidade crítica de seu marido. Acredita-se geralmente que tenha sido redigida em 1278. Detalhes sobre Myoshin-ama não são claros. Uma interpretação a identifica como a esposa de Takahashi Rokuro Hyoe Nyudo, o que a tornaria uma tia de Nikko Shonin. Outras teorias também foram sugeridas. De qualquer forma, ela morava no distrito Fuji, na província de Suruga e tinha se tornado uma seguidora de Nitiren Daishonin. A doença prolongada do marido a levou a tomar os votos como uma freira budista. O marido dela, no final, faleceu dessa doença, deixando sua esposa com uma criança pequena. Myoshin-ama manteve a sua fé após a morte de seu marido e visitou com frequência Nitiren Daishonin no Monte Minobu para levar-lhe oferecimentos.
Nesta carta, respondendo ao relato de Myoshin-ama sobre a enfermidade do seu marido, Nitiren Daishonin cita uma passagem do capítulo Yakuo do Sutra de Lótus: "Este Sutra é o remédio benéfico para as doenças de todas as pessoas de Jambudvipa", e declara que nenhum remédio supera os cinco caracteres do Myoho-rengue-kyo. Este pode curar não somente os males físicos, mas também a muito mais séria calúnia contra a Lei Mística. Ele também encoraja Myoshin-ama a ver a doença de seu marido como uma manifestação da benevolência do Buda, pois o habilitou a despertar uma determinação que ele anteriormente não possuía. Nitiren Daishonin explica que por causa da sinceridade da fé recentemente despertada por seu marido, ele certamente conseguirá erradicar o mau carma de seus delitos, e mesmo que ele estivesse para morrer agora, iria experimentar a ilimitada alegria da Lei que transcende tanto a vida como a morte. Em seguida, Nitiren Daishonin prossegue, se ele for desafiado por qualquer coisa ameaçadora ou terrível em sua jornada entre a morte e o renascimento, deve simplesmente declarar que é discípulo de Nitiren, e com certeza será protegido. Nitiren Daishonin conclui louvando calorosamente Myoshin-ama por sua fé e reafirmando-lhe a proteção do Sutra de Lótus.

As mais Belas Histórias BudistasEndereço: http://www.vertex.com.br/users/san e-mail: sandro@vertex.com.br

Nenhum comentário: