"Quando sua determinação muda, tudo o mais começa a se mover

em direção ao seu desejo".

4 de jan de 2009

Desejos Mundanos são Iluminação

Bonno Soku Bodai


As preocupações são um elemento constante na vida dos seres humanos. Pode ser dito que tal situação é parte intrínseca da vida. Na filosofia budista estas circunstâncias - nas quais os pensamentos e emoções conduzem ao sofrimento e a confusão mental - são consideradas como desejos mundanos.
Mas, o que eles representam ? Basicamente, os desejos mundanos são representados pela avareza, ira, estupidez, arrogância, dúvida e desejos doentios. De forma secundária, inclui devassidão, inconstância e diversos outros tipos de desejos.
Na cultura japonesa, acredita-se que existam cento e oito tipos de desejos. Este número corresponde ao batidas de sino realizadas nos diversos templos japoneses na véspera do Ano Novo. Outra fonte, estabelece o número de oitenta e quatro mil desejos mundanos.
Como os seres humanos são como um ninho de desejos, pode-se afirmar que a forma como lidamos com os nossos impulsos é uma questão de extrema importância em nossas vidas.
Os primeiros três desejos citados acima: Avareza, Ira e Estupidez, são chamados de três venenos. A avareza significa tornar-se um escravo da fome, dos desejos sexuais, do ato de dormir, pela busca fama, entre outros. A ira significa o ódio nutrido pelo indivíduo ou o estado em que estamos sendo controlados pelas nossas emoções impulsivas. A estupidez se refere a incapacidade de compreender a verdadeira natureza das circunstâncias. Assim, se observarmos de forma precisa as nossas vidas, podemos dizer que muitas vezes somos levados pelos três venenos. Além disso, pode-se acrescentar que em inúmeras ocasiões, o nosso sofrimento tem origem no desejo inerente em cada um de nós.
Por esta razão, como devemos lidar com os nossos desejos ? No budismo Hinayana, os praticantes são orientados a extinguirem a causa do sofrimento, que seria a própria consciência. Entretanto, como os desejos são parte intrínseca dos seres humanos, a extinção do desejo representa a extinção da própria vida humana.
Em contrapartida, muitas pessoas encaram os desejos como algo inevitável e incontrolável, deixando-se levar pelos seus próprios impulsos e causando a sua própria destruição, assim como do ambiente ao seu redor. Na sociedade atual, podemos presenciar esta tendência devastadora que está destruindo o próprio planeta.
Qual a visão do budismo de Nitiren referente a esta questão ? Nos seus Ensinos Orais, consta: "Queime a lenha dos desejos mundanos e contemple o fogo da sabedoria iluminada diante dos seus olhos". Nesta passagem, Nitiren declara que o princípio de transformar os desejos mundanos em sabedoria iluminada é a chave para mudança.
A iluminação é interpretada como o caminho, a sabedoria e a realização, isto é, despertar para a verdade e alcançar a felicidade. Em outras palavras, os desejos mundanos se transformam em iluminação no momento em que conseguimos controlar e direcionar os nossos impulsos de forma sábia e concreta e não quando tentamos meramente extinguí-los.
Para isto, é fundamental que sejamos capazes de manejar os nossos impulsos ao invés de sermos controlados por eles. Por exemplo, uma pessoa de temperamento agitado pode direcionar esta característica para algo positivo, como lutar em prol da justiça, enquanto direciona os seus impulsos contra a injustiça. Para isto, é preciso que o indivíduo consiga manifestar a sua sabedoria interior visando utilizar os seus desejos como fonte para o seu bem-estar e do ambiente ao seu redor.
No budismo de Nitiren, recitamos o Nam-myoho-rengue-kyo como forma de evidenciarmos a nossa natureza de Buda inata e consequentemente, direcionar os nossos impulsos. Esta ação se assemelha a flor de lótus, que floresce em meio a fétidos pântanos, pois quanto maiores forem os desafios e sofrimentos, maior será o grau de satisfação a ser alcançado.
Finalizando, o princípio de – Os Desejos mundanos São a Própria Iluminação – nos capacita a alcançar uma alegria indestrutível em nossas vidas, pois é uma filosofia que nos proporciona a oportunidade de revitalizarmos a nossa postura diária com relação aos nossos próprios impulsos e como praticantes do budismo de Nitiren devemos edificar uma sólida fé através da recitação do Nam-myoho-rengue-kyo para que possamos manifestar toda a sabedoria de um Buda em nossas ações cotidianas.
Preciosa Colaboração de Charles Chigusa - e-mail: chigusacharles@hotmail.com

Nenhum comentário: