"Quando sua determinação muda, tudo o mais começa a se mover

em direção ao seu desejo".

24 de jan de 2009

Jeanny Chen - AÇÃO, AÇÃO, AÇÃO!

Os ensaios de Jeanny Chen
AÇÃO, AÇÃO, AÇÃO!
Trabalhando com todo nosso ser para que nossos sonhos se tornem realidade
Por Jeanny Chen, Saratoga, California.
Disponível em http://www.happyjeanny.com/


Numa conferência de estudo à qual assisti no verão passado, tive o privilégio de ouvir uma maravilhosa experiência a respeito da Sra. Hachiya, vice-responsável da Divisão Feminina da SGI, quem vem praticando o Budismo de Nitiren durante mais de 50 anos, desde a época do Presidente Toda.
Um dia, ela acompanhou o Presidente Ikeda a uma reunião de diálogo (palestra) num pequeno distrito no Japão. O Presidente Ikeda referiu-se ao tema da reunião, que era "Como promover o jornal da Soka Gakkai do Japão, o Seikyo Shimbun". (O Seikyo Shimbun é similar ao periódico semanal da SGI-USA, chamado "World Tribune"[similar ao Brasil Seikyo]). Para promover o Seikyo Shimbun, o Presidente Ikeda sugeriu:
"Isto devem aplicá-lo a qualquer outra coisa na sua vida. Primeiro, antes de mais nada, devem oferecer uma profunda, rigorosa e específica oração ao Gohonzon. Orem para abrir a budicidade na vida da outra pessoa e depois para abrir a budicidade nas suas próprias vidas. Se fizerem isto, uma profunda sabedoria brotará das suas vidas. Então poderão compartilhar com a outra pessoa, até o ponto que essa pessoa queira subscrever-se ao jornal devido ao vínculo de coração a coração que foi criado. É como se dois Budas estivessem falando. Se vocês fazem isto e promovem o Seikyo Shimbun com sucesso, os tesouros chegarão à sua casa, não uma vez, nem duas vezes, e sim várias vezes."
A Sra. Hachiya tinha que pegar dois trens para chegar à sua casa. Apesar de ser quase o horário de dormir, imediatamente foi até seu Gohonzon e orou profundamente durante uma hora a respeito dessa orientação.Como responsável da Divisão Feminina da SGI, a Sra. Hachiya tem muitas oportunidades de conversar com o Presidente Ikeda. Porém, nunca dá como um fato que ele esteja acessível para ela. Então, começou a orar ao Gohonzon para levar à prática completamente sua orientação: pôs "1000 por cento" de esforço em segui-la, e agiu para aplicá-la.
Recita Daimoku só com este pensamento: "Como posso promover o Seikyo Shimbun? Todos meus vizinhos já o recebem. Todos sabem quem sou. A maioria das pessoas com as que mantenho contato são membros... Então, para quem posso apresentar este jornal? Gohonzon: desejo abrir a budicidade na vida de alguém, alguém que realmente possa beneficiar-se ao ler o Seikyo Shimbun. Realmente quero isto. Estou decidida a encontrar aquela pessoa à qual possa introduzir ao Seikyo Shimbun."
Depois de meia hora de Daimoku, o rosto de um conhecido veio à sua mente.Durante sua recitação de Daimoku, lembrou que, trinta aos atrás, tinha trabalhado junto com ele num banco. Enquanto continuava recitando e recitando Daimoku, o rosto dele não se afastava da sua mente.
Durante os dias seguintes procurou essa pessoa. Encontrou-o e marcou um almoço. Almoçaram juntos várias vezes para evocar a memória dos velhos tempos. Assim, seu antigo conhecido pode interiorizar-se a respeito da SGI e dos seus objetivos em prol da paz mundial. No final do quinto almoço, a Sra. Hachiya conseguiu com sucesso apresenta-lhe o Seikyo Shimbun e assiná-lo.
A mãe da Sra. Hachiya nunca tinha ligado para o seu celular, mas alguns dias depois ligou para dizê-lhe: "Rápido, venha logo para casa! Chegou um grande caixote para você!".
Era um grande caixote, cheio de valiosos melões, cada um individualmente empacotado na sua própria caixa, que este conhecido enviava-lhe em sinal de agradecimento. Em qualquer lugar do Japão, um só desses melões empacotado na sua própria embalagem, custa de 50 a 100 dólares!
Alguns dias mais tarde sua mãe ligou de novo: "Você recebeu outra caixa!".Isto aconteceu cinco vezes no transcurso de um mês.
A Sra. Hachiya comenta que: "Até o dia de hoje, esta prática continua funcionando para mim, assim como as orientações do Presidente Ikeda. Cada vez que escuto ou leio suas orientações, recito Daimoku profundamente, orando ao Gohonzon para levá-la à prática completamente". A Sra. Hachiya põe 1000 por cento de si para seguir a orientação e levá-la à prática.
Com esta experiência, ela, mediante sua atitude tão vital, está vivendo com a sua própria vida o verdadeiro caminho de mestre e discípulo.
Mas pode acontecer que nós não tenhamos a oportunidade de encontrar-nos com o Presidente Ikeda. Consciente disto, ele continuamente põe suas sábias palavras em milhares de publicações, orientando-nos a respeito de cada aspecto da nossa prática. Suas orientações, com a capacidade de transformar a vida estão literalmente nas nossas mãos, para serem lidas atentamente, livremente e a qualquer momento. Como existem tantas publicações dele, pode acontecer que, com leviandade, possam ser consideradas como mera tinta sobre o papel, ou até seja considerada como um tipo de literatura que aspira meramente a tranqüilizar e confortar.
Mas, de fato, cada orientação pode converter-se numa jóia de vida, se formos honestos para concretizá-la mediante a ação.
No livro publicado pela SGI de Singapura, "Orientações Diárias", vol. 4 pág. 172, o dia 3 de junho, o Presidente Ikeda diz:
"Um ditado afirma que ‘somos tão grandes quanto nossos sonhos’. Portanto, devemos ter grandes sonhos. Mas é necessário reconhecer ao mesmo tempo que os sonhos são sonhos e a realidade é a realidade. É natural, então, que para realizar grandes sonhos, devamos olhar nossa real situação e trabalhar com todo nosso ser para convertê-los em realidade".
A frase "trabalhar com todo nosso ser" aprisionou particularmente minha vista e meu coração. Baseada na inspiração e no poderoso impacto que a experiência da Sra. Hachiya tinha produzido em mim, estou orando para entender, absorver e assimilar por completo esta orientação do Presidente Ikeda. Meu objetivo é que, após processá-la no meu interior, incremente minha própria sabedoria. Depois chegará a concretizar-se através da minha ação. Acredito que o Presidente Ikeda estava enviando-nos uma clara mensagem enfatizando a importância de ações bem concretas quando dizia: "Trabalhar com todo seu ser".
“Se desejar compreender as causas que existiram no passado, veja os resultados que são manifestados no presente. E se desejar compreender quais resultados serão manifestados no futuro, olhe as causas que existem o presente” (END, Vol. II, pág. 16a - "A Abertura dos Olhos, parte 2).
"Causas" aqui se referem a nossas ações, as quais são a expressão de nossos pensamentos, palavras e ações. Os pensamentos são ações da mente, as palavras são ações da mente e da boca, enquanto que as ações físicas correspondem à mente e ao corpo. É importante como as ações que empregamos dão significado às nossas vidas, ao longo de toda a eternidade.
Pensem nisto: sem importar a imensidade da sua sabedoria e capacidade, o Buda Sakyamuni, Nitiren Daishonin e os três Presidentes da SGI, Tsunesaburo Makiguti, Jossei Toda e Daisaku Ikeda, viveram suas vidas sendo grandiosos tanto nas suas ações como nos seus espíritos. Demostraram ser perfeitos exemplos de "faz o que eu digo e o que eu faço". Eles são verdadeiros líderes de ação.
Esta tradição ou mérito de trabalho árduo é realizado por toda a organização da SGI. Os membros da SGI são provavelmente os maiores campeões da ação.
No "Preleção dos capítulos ‘Hoben’ e ‘Juryo’ do Sutra de Lótus", pág. 39, o Presidente Ikeda escreve:
“’Devoto do Sutra de Lótus’ refere-se àqueles que se dedicam à missão de salvar às pessoas do mundo inteiro pelos dez mil anos ou mais dos Últimos Dias da Lei. E ‘Kossen-rufu’ indica o ato de os próprios indivíduos prestarem sua contribuição para o bem-estar das pessoas e da sociedade com base na Lei Mística, atuando como ‘devotos’, isto é, como ‘pessoas de ação’”.
Não seria presunção dizer então, que todo nosso trabalho e atividades diárias desta prática estão orientados para a ação. Através dos anos, temos investido parte considerável de nossas vidas na prática de recitar assiduamente Daimoku, estudar os ensinamentos budistas, participar das reuniões de diálogo (palestra), estabelecer e concretizar objetivos, superar desafios, fazer nossa revolução humana, erradicar o carma negativo, transformar veneno em remédio, criar valor, ativar a sabedoria, propagar o Budismo, compartilhar experiências, dialogar com outros, forjar valores humanos, etc..
Podemos afirmar, sem nenhuma vergonha, que somos diligentes e disciplinadas pessoas de ação.
Até as abstratas características de nossa prática budista devem ser refletidas em ações concretas para que manifestem suas verdadeiras funções. Qualidades tais como fé, missão, coragem, benevolência, sabedoria, realização, determinação e espírito de mestre e discípulo são absolutamente vazias e insignificantes se não são acompanhadas da ação correta.
Cada frase das publicações da SGI aponta à prova real enquanto cria-se valor. Seu alcance é muito maior do que nos parece.
Pensamos, respiramos e vivemos por uma ação ou por outra. Como acontece com todas as outras atividades, o mero fato de recitar Daimoku já constitui um completo curso de ação. Os membros estão recitando Daimoku em todas partes e a qualquer hora. Devemos estudar e descobrir numerosas formas de aperfeiçoar a qualidade de nossa recitação. O fazemos por nós mesmos e pelos outros. Recitamos em grupo ou sozinhos. Recitamos em voz alta enquanto dirigimos um carro.
O fazemos silenciosamente enquanto esperamos numa fila e, continuamos recitando ainda nos nossos sonhos, tanto nos doces como nos amargos.
À diferença da prática da meditação passiva, o Budismo de Nitiren Daishonin é um Budismo de incessante ação. Podemos imaginar-nos, junto com milhões de praticantes ao redor do mundo, trabalhando em tantos aspectos durante as 24 horas do dia? Que magnífico quadro seria! Nenhum fotógrafo ou nenhum filme pode capturar vivamente este magnificente espírito manifestado em ação!
Não há dúvida de que, quando decidimos abraçar a fé e devotar-nos à Lei Mística, também nos devotamos a agir no nosso caminho à iluminação. Mas, o caminho freqüentemente fica um pouco longo e o resultado às vezes parece não ser exatamente o que desejamos. Enquanto isso, marchamos, fazemos progressos e obtemos benefícios aqui e ali. Porém, ainda existem montanhas de desafios para serem superados. Há momentos que parece que não vamos a lugar nenhum. Alguns de nós podemos ter começado a perguntar-nos: "Quando irá acontecer meu esplêndido progresso ou a transformação total? Será que não estou fazendo o suficiente? Onde estão as respostas definitivas às minhas orações?".
Acreditem ou não, o Presidente Ikeda tem pensado muito sobre nossas possíveis perguntas e as tem respondido. No mesmo volume de "Orientações Diárias”, no dia 12 de junho o Presidente Ikeda escreve novamente:"Aqueles que têm enfrentado grandes sofrimentos devem vencer na vida e serem felizes. Se se sentirem sempre derrotados e infelizes, então não estão praticando o Budismo de Nitiren Daishonin corretamente. Não estão seguindo o verdadeiro caminho na vida".
No novo livro de orientações da SGI-USA "Sabedoria diária das Escrituras de Nitiren Daishonin", publicado no passado 12 de junho, encontramos claramente una sincera exortação de Nitiren Daishonin:
"Digo-lhe isto para seu bem. Sei que sua fé tem sido sempre admirável, mas agora deve fortalecê-la ainda mais. Somente então as dez filhas demônios lhe brindarão ainda maior proteção". (sem referência, tradução não oficial)
Estarão Nitiren Daishonin e o Presidente Ikeda dizendo-nos que não temos estado trabalhando com todo nosso ser e que é tempo de que profundamente reflitamos a respeito de nossa aparentemente admirável fé, se é que não estamos conseguindo os resultados que desejamos? Que podemos melhorar para assegurar uma prática correta? Como podemos fortalecer nossa prática ainda mais? Como podemos chegar a ser mais felizes se somos bastante felizes agora? Em que deveríamos atuar de maneira diferente para extrair o máximo valor de nossos contínuos esforços?
O poder humano, a fortaleza ou o esforço é o combustível para a ação. É o bem ilimitado e livre do qual todo ser humano está dotado. Um plano detalhado para utilizar a maioria de nosso potencial de coragem e colocá-la em prática determina a qualidade e o significado de nossas vidas.
Este plano vale seu peso em ouro!
Com tudo o dito anteriormente, não desperdicemos mais tempo, dediquemos tempo suficiente em empreender ações agora, em confeccionar uma lista. Não uma breve e geral, e sim uma específica e detalhada. Um excelente plano de ação, não só qualquer ação ou a mesma velha ação, e sim uma ação progressista e vencedora:
1. Identificar o propósito de nossas vidas
Saber o que queremos conseguir mediante nossas ações. Estamos buscando fama, dinheiro, prazer, saúde, emoções, satisfação ou valor? Acreditamos que podemos realizar uma missão na qual cresceremos, floresceremos, daremos frutos e nutriremos a terra e o universo? Se a resposta é sim, a primeira ação que empreenderemos deverá ser purificar e fortalecer nosso ser.
2. Fazer uma absoluta reflexão, honesta, rigorosa, específica eminuciosa
Qual é nossa postura na fé? Somos simplesmente sonhadores ou grandes tagarelas? Nos consentimos e mimamos, procurando desculpas para afrouxar? Agimos carentes de uma determinação profundamente arraigada e de autoconfiança, sentindo-nos fracos e vulneráveis para o desafio? Temos perdido todo este tempo praticando algo rotineiramente, de maneira negligente, distraída, divagadora, superficial, fútil, esporádica, passiva, negativa e indecisa?
Considerando tudo isto: somos realmente sérios com respeito à criação e ao cultivo dos componentes de nossas vidas?
O mais provável é que na lista que consigamos fazer predominem os venenos que há nas nossas vidas. Eles são nossas tendências fundamentais de vida ou defeitos. E nos provêm de um excelente material com o qual construir nosso projeto de uma grandiosa revolução humana.
Além de corrigir os defeitos de nosso caráter, é igualmente importante facultar nossas vidas incrementando a qualidade das ações.
3. Potencializar nossas ações com coragem e energia
A. Acompanhe cada ação com abundante sabedoria, benevolência, coragem, e conteúdo.
Isto requer muita recitação de Daimoku, reflexão, planejamento e determinação. O melhor exemplo é agir resolutamente pelo bem e a felicidade dos outros. Defender a justiça e proteger a Lei é outro bom exemplo. Inevitavelmente isto deriva no nosso próprio benefício.Depois de receber orientação, Elizabeth Hilgendorf de Los Angeles, California, dedicou uma semana inteira a estudar Espírito Soka e a orar Daimoku por volta de 90 minutos cada dia. Depois tomou a iniciativa de perguntar ao seu redor, tentando ativamente de encontrar membros que estivessem ligados, ou tivessem se retirado do templo, mas que ainda estivessem afastados da organização Soka Gakkai. Obteve o nome de uma pessoa e a contatou. Dialogou pelo telefone com ela durante horas e construiu uma amizade. Com o passar do tempo, conseguiu convidá-la à sua casa onde teve a oportunidade de conquistar o coração deste membro e incentivá-la a expulsar seus mal-entendidos respeito a SGI.
Dois meses antes, tinha recebido uma carta de uma empresa. Por uma tarifa, a ajudariam a cobrar uma soma de dinheiro de vários milhares de dólares que lhe devia uma entidade financeira. Tinha uma péssima experiência anterior ao respeito e sabia que era um procedimento complicado até para os profissionais nesse campo. Portanto não insistiu. Porém, depois de ter contatado com sucesso o membro do templo, percebeu a importância e a satisfação de agir. Sentiu que a próxima ação que devia empreender era conseguir esse dinheiro extra.
Sua mãe tinha falecido quatro anos antes, deixando um testamento contendo uma longa lista de valores. Já tinha recebido e gastado tudo, mas pegou o testamento para revisá-lo novamente. Misticamente, encontrou seu dedo sobre o nome de uma gigante corporação. Foi como se a tivessem guiado.
Então começou um longo processo de busca e pesquisa. Para encurtar uma longa história, foi capaz de recuperar U$S 55.000 que estavam escondidos.
Depois disso, seu esposo ajudou-a a encontrar U$S 12.000 de outra companhia mencionada no testamento.
Quando nossas ações estão baseadas em qualidades tais como a sabedoria, a benevolência, a coragem, o esforço e a determinação, seguramente seremos capazes de:
B. Realize eficazmente sábias escolhas e ações corretas
Em simples palavras, devemos praticar com sabedoria; ou em termos mais concretos, praticar inteligentemente. Nossa escolha de qual ação realizar estabelece uma grande diferença, se é que não total diferença.
Para atingir a iluminação nesta existência, praticamos não qualquer Budismo, e sim o Budismo de Nitiren Daishonin. Recitamos não qualquer sutra, e sim o rei dos sutras, o Sutra de Lótus. Em outras palavras, se podemos ter um carro para chegar a nosso destino, naturalmente não desejaremos desperdiçar semanas para chegar lá dirigindo uma máquina de cortar grama. Por outra parte, não vamos querer pegar um veículo que esteja equipado somente com a marcha ré. Se quisermos convencer nossos familiares e amigos mais próximos da grandiosidade deste Budismo, devemos trabalhar arduamente para mostrar a prova real, em vez de esgotarmo-nos explicando a filosofia, debatendo seus benefícios e exigindo sua aceitação.
Suponhamos que estamos numa relação evidentemente complicada, apenas enxergando a luz no fim do túnel. Em vez de persistir em tropeçar até o fim da luta, fechados neste imenso e obscuro buraco de um casamento intrinsecamente defeituoso, submersos nele até o pescoço, temos que ser capazes de usar nossa sabedoria inerente para deixar de realizar tais ações disfuncionais.
Claro que sempre podemos confiar na nossa prática budista para transformar veneno em remédio. Mas, em primeiro lugar, não devemos continuar criando nem chamando o veneno.
Há maneiras muito mais prazerosas e nobres de criar mais valor para demostrar a validade de nossa prática budista. Estaremos muito melhor aplicando a energia, coragem e benefícios de nossa prática em transformar-nos a nós mesmos, e depois encontrar a pessoa ideal cujas qualidades combinem com nosso recentemente elevado estado de vida.
Não precisamos ir em retrocesso ou começar do fundo do poço, de onde, uma vez que pulamos, não estamos sequer certos de quando podemos finalmente sair. Há muito para realizar e superar nas nossas vidas. Não é necessário esgotar-nos acrescentando mais cargas supérfluas e inúteis à nossa vida. Simplesmente temos que estar em harmonia, focalizados para um resultado concreto e, principalmente, conscientes de nossa energia.
Se percebermos a eficiência de nossas ações, naturalmente começamos a pensar em:
C. Matar "dois ou mais coelhos com uma cajadada só"
Como os benefícios da prática são expansivos, infinitos e ilimitados, normalmente acontece que nossas sinceras e corretas ações afetam múltiplos objetivos. Por expressar minha frustração devido à minha escassa habilidade com o inglês, comecei a escrever boletins para a comunidade chinesa. Francamente, devia ter aprendido perfeitamente o inglês durante meus anos de estudante, desde o secundário até a universidade, em Taiwan. Durante os dez primeiros anos após minha família vir aos Estados Unidos, o inglês foi meu maior ponto fraco, o veneno na minha vida. Estava envergonhada de ter que usar meu sofrimento infantil como desculpa para encobrir minha própria preguiça e fracasso em aprender. Portanto, de alguma maneira estava protestando contra mim mesma, mas estava firmemente determinada a que, baseada nesta prática budista, de alguma forma, algum dia, seria capaz de usar meu inglês para contra-atacar. Superficialmente, parecia que tivesse pego um caminho indireto para chegar ao meu destino, enquanto dirigia-me para outro caminho. A verdade é que, através dos meus esforços, a experiência e a coragem que criei escrevendo em chinês, ressuscitou minha enfraquecida auto-estima. Conduzida pela minha recente confiança, usando-a como combustível, fui capaz de dar uma grande guinada. Abri um caminho pelo qual agora posso continuar transitando, aventurando-me na minha busca de toda a vida, em cumprir minha missão. Abandonando meu veículo transitório - que era o idioma chinês - e desafiando minhas habilidades com o idioma inglês. Minha verdadeira missão reside nisto. Ainda dependo das habilidades dos meus amigos para editar meu trabalho. Mas sou capaz de comunicar-me em inglês, e continuo aprendendo e melhorando.
Tudo o que tenho aprendido do Budismo, tenho tentado aplicá-lo para elevar meu estado de vida e para incrementar minha coragem de ajudar os outros. Como resultado, sou capaz de manter no ar a primeira pedra que atirei, agindo para ser útil à comunidade chinesa. Desde então, fui capaz de usar meu inglês capenga para compartilhar experiências de maneira privada, o que, em troca, ajudou-me a melhorar meu inglês. Depois escrevi um completo e organizado rascunho da minha experiência em inglês e o apresentei a diferentes grupos de membros.
Posteriormente foi publicado na revista "Living Buddhism" (Budismo Vivo), na edição de novembro de 2000. Estava comprometida. Sinceramente cheguei ao coração dos membros que responderam à minha experiência e continuo agindo para incentivá-los nos seus desafios.
Enquanto ajudo os outros, ao mesmo tempo estou desenvolvendo-me a mim mesma. Estou mais pronta do que nunca para cumprir minha missão de levar felicidade aos outros.
Agora mantenho uma página na web. Divido tudo o que tenho aprendido a respeito desta prática budista. Depois de matar os primeiros dois coelhos, a pedra ainda está voando e passeando ao redor no vasto e ilimitado céu, com piloto automático, continuando para capturar presa sobre presa até o infinito.
D. Expandir a conseqüência ampla, profunda e remota, transcendendo o tempo e o espaço.
Mas, não se detenham alí. O resultado de nossa primeira ação serve como pedra fundamental para avançar ainda mais. Geramos mais determinação ao encontrar obstáculos. E enquanto adquirimos mais e mais determinação, é assombroso ver o quanto mais facilmente conquistamos até as tarefas mais difíceis.
É utilizando nossa primeira vitória como nutriente que cultivamos infinita boa sorte.
Um experimentado homem de negócios faria qualquer coisa, investiria cada dólar para gerar clientes pela primeira vez. Conservaria os dados dos seus novos clientes como um tesouro. Focando-se nesses novos clientes, empenhar-se-ia em fazer uma campanha através da correspondência para promover as vendas e gerar valores residuais dos esforços iniciais e seus efeitos. Obstinadamente persistiria em fazer-lhes várias ofertas a esses novos clientes durante um considerável período de tempo.
Os nomes daqueles que deixaram de ser clientes finalmente seriam vendidos para diferentes tipos de negócios. Nenhum esforço seria desaproveitado.
Por quê se faz um seguimento depois que se conseguiu o que se queria a primeira vez? Porque está provado que um prudente seguimento das vantagens existentes dá resultados de grandes proporções. Alguma vez têm se perguntado por quê continuamos recebendo cartas comerciais ou ligações telefônicas uma vez que revelamos nossa informação? Não têm coisa melhor fazer? Alguém está agindo.
Enquanto pratiquemos sincera, correta e persistentemente podemos criar ilimitada boa sorte para nós e para os outros. Não é simplesmente um sonho responder às expectativas do Presidente Ikeda, que nos exorta já desde o prólogo do seu romance "A Revolução Humana":“Seja como for, a grandiosa ‘revolução humana’, de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino de um país e, além disso, será capaz de transformar o destino de toda a humanidade”.
E. O Budismo é vida cotidiana
Não só o aprecie. Sinta-o, experimente-o, use-o e viva-o. O Budismo é concreto e tangível. Sempre podemos aplicá-lo para nutrir todas as áreas de nossa vida baseados no bom senso e na razão, em vez de na fantasia e o absurdo. Os ensinamentos corretos não são misteriosos, supersticiosos, indescritíveis ou reservados. Evidentemente, um membro de 90 anos não vai perder tempo ridiculamente recitando Daimoku para ficar grávida ou para recuperar sua juventude. A prática não fará milagres nem inverterá as leis do universo.
Tampouco nos fará ganhar créditos imerecidos ou recompensas por benefícios não trabalhados. Se não estamos felizes com nossos resultados, devemos examinar as causas que temos feito.
E a partir dalí, aumentar nossos esforços, auto transformar-nos e mudar nossa perspectiva. O nível de nossos esforços manifesta proporcionalmente o poder deste Budismo.
F. Ser um criador profissional de boas causas. Agir positivamente o tempo todo
Se estamos procurando a total transformação de nossas vidas, ou um imenso progresso, é uma boa idéia conduzir-nos com um senso de profissionalismo na prática budista. Queremos dedicar cada esforço em criar ativamente causas positivas através de cada canal, em cada passo que podamos imaginar.
Quando começamos do zero, cada passo conta. Fazemos boas causas mediante pensamentos positivos, palavras e ações, tangível e intangivelmente. Praticamos pela nossa felicidade e a dos outros; pela prosperidade da organização da SGI, cujo único objetivo é a paz mundial.
4. Confeccionar um único programa para rescrever nosso destino
Como membros da SGI temos estado agindo. Estamos aprendendo e aplicando tudo o que podemos para intensificar nossa prática. Ensinamentos, orientações, sabedoria, experiências, incentivos e palestras alinham-se para ajudar-nos no nosso caminho para atingir a iluminação. Incentivos, citações, temas, conselhos e idéias fluem normalmente dos corações benevolentes de nossos companheiros praticantes. Nutridos e protegidos com tão abundantes recursos, podemos defender-nos nos dias comuns. É fácil conduzir-nos na vida cotidiana, pelo que tendemos a abaixar a guarda e a não trabalhar duro.
Sem sabê-lo, gradualmente vamos convertendo-nos numa espécie de agricultores independentes e aficionados cultivando nossas vidas.
Trabalhamos, mas sem pôr demasiado controle nas nossas atividades e na nossa mente.
Espalhamos sementes de causas positivas segundo nosso livre arbítrio, por prazer e a esmo, apontando para o ar. Preocupamo-nos pelo que deixamos de colher, mas não o aproveitamos para refletir e fazer algo a respeito.
Insatisfeitos, aceitamos a realidade e ficamos aí. Passivamente aceitamos qualquer pequeno resultado que nos acontece, sempre e quando consigamos improvisar algo. Mas, no momento crucial, encontramos difícil suportar a pressão. Estamos nervosos porque não podemos permitir-nos não acertar no alvo ou perder a data limite. Nos sentimos algo perdidos, sem saber exatamente que ação empreender nem como começar.
Para converter-nos em agricultores habilidosos que possuem o conhecimento de como nutrir os cultivos, onde e como fazer a colheita e como enfrentar as contingências, podemos estudar e aprender dos profissionais nesse campo, para determinar nosso plano. Devemos permitir-nos ter o tempo suficiente para executar o plano, permitir que nossas forças se reunam, plantar sob terra os cultivos numa área designada, e sistematicamente trabalhar arando, desmatando, regando e fertilizando. Desta maneira, multiplicaremos nossos resultados com a mesma quantidade de trabalho.
5. Adotem posturas invencíveis e comecem com a primeira ação agora
Se acreditamos que temos trabalhado com todo nosso ser para alcançar nossos objetivos, lembremos que com um empurrão extra ou com uma arrancada final, chegaremos.
Constantemente avancemos um passo, ainda que seja um passo de bebê, um de cada vez. Cada passo é importante. Avancemos um metro extra depois de outro. Nunca nos detenhamos. Nunca nos demos por vencidos. Cortemos todas as rotas de fuga. Não há retrocesso possível.
Ativa, diligente, positiva e dedicadamente; cuidadosa, incansável e constantemente empreendamos um esforço a toda velocidade com uma ação enérgica.
Avancemos, apesar das repetidas frustrações e reveses. Abstenhamo-nos da imprudente temeridade. Sejamos fortes, resolutos, pacientes e perseverantes. Se nosso corpo não pode continuar, demos-lhe um curto descanso. Se nossa mente está fatigada, levemo-la a nadar. Depois, continuemos empreendendo ações até chegar ao nosso destino.
Temos visto e lido bastante experiências de outros membros e os resultados de sua prática sincera e suas ações concretas. Nossos antecessores na fé também nos têm oferecido muitas orientações e discursos plenos de palavras de sabedoria. Sentimo-nos entusiasmados, incentivados e inspirados somente de escutá-los. Seus exemplos e inspiração realmente nos têm brindado conforto e esperança. Mas, por mais que tenhamos lido milhões de palavras de incentivo dia e noite, se não empreendemos ações nós mesmos, estas palavras constituirão uma mera satisfação ilusória geradora de falsas esperanças. Na realidade, temos que beber verdadeira água para aplacar nossa sede e trabalhar nos nossos planos para obter nossos próprios resultados. Temos que tomar isto como algo muito claro e rigoroso: chegou a hora de acumularmos nossas próprias experiências e construirmos nosso futuro, nossas novas vidas. Temos acesso à possibilidade de renascer como novas pessoas. Decidiremos fazê-lo?
Para concluir, a seguinte exortação poética surgida do coração de Nitiren Daishonin pode inspirar-nos a refletir profundamente a respeito para fortalecer nossa prática:
“A morte vinda a uma pessoa ontem pode vir a nós hoje. Flores se tornam frutos e noivas tornam-se sogras. Recite Nam-myoho-rengue-kyo e aprofunde a fé”.


(Carta a Jakuniti-bo, END – Vol. 1, pág. 148)
O endereço eletrônico de Jeanny é: happyjeanny@hotmail.com
Tradução: Ariel Ricci aricci@estadao.com.br
Revisão: Marly Contesini contesini@estadao.com.br
Recomende este artigo a um amigo ou amiga.

Nenhum comentário: